panel

Untitled

À medida que cresce exponencialmente a população em áreas urbanas, as cidades têm invariavelmente de melhorar, de se tornarem mais eficientes e servirem melhor os seus habitantes, não permanecerem apenas como locais viáveis para viver, estudar e trabalhar. Algumas cidades irão consegui-lo melhor do que outras o que significará um deslocamento das populações.
Como resultado, empregadores e indivíduos irão mover-se para lugares que servem melhor as suas necessidades e aspirações. Não se trata apenas de crescimento, mas de um melhoramento na funcionalidade das cidades. A competição entre as cidades está mais viva do que nunca, resultando em mudanças significativas nestas num curto intervalo de tempo.

Bovisa
Bovisa é um bairro de Milão, localizado na parte norte da cidade.
Pertence à zona 9 e está física e historicamente delimitada por ferrovias que cercam a área, com o decorrer do tempo abrangeu também a área ao redor da Piazza Derg, embora o núcleo original do distrito se situe ao redor da praça.
Nascida nos arredores industriais de Milão, na segunda metade do século XX tem visto um declínio após o desmantelamento de muitas indústrias que existiam na área, resultando em degradação, estagnando nos últimos anos.

Untitled

Politécnico
Uma das actividades mais importantes de uma antiga área industrial é agora a presença das subsidiárias do Politécnico de Milão. O campo está dividido em duas sedes.
O Norte para a escola de Design e de Arquitectura (construída numa antiga fábrica) e a sul, a escola de Engenharia (Engenharia Mecânica, Engenharia Aeroespacial, Engenharia de Energia e Gestão Industrial).

A Estação
A estação representa um importante centro para a maior parte do tráfego local a norte da região, nesta convergem as linhas de Saronno, para Como, Italy – Novara, Laveno – Malpensa.
A estação, dada a sua posição actual, corta o distrito de Bovisa em duas partes, impedindo o tráfego de pedestres, enfatizando a divisão imposta pela linha ferroviária.
Por estas razões, futuramente a estação deverá conectar as duas áreas, actuando como um espaço ponte e de acesso, sendo os pontos de saída radicalmente transformados.
Combinando os dois lados da ferrovia, o nível superior da estação tornar-se-á assim um espaço público de serviços: Bilheteiras, espaços comerciais e de lazer. Transformando-se assim no principal ponto de acesso à área.

Bovisa é um pólo de ensino, a vida da zona depende muito da população flutuante, não necessariamente da que habita a zona, por isso, um transporte muito eficiente, é de grande importância para a sustentabilidade e eficiência da área em questão. Uma infra-estrutura de transportes é fundamental para a mobilidade de pessoas e bens e para a coesão territorial.
O objectivo é reorganizar as vias nas áreas junto da estação ferroviária e do campus universitário, estabelecendo boas conexões com outras formas de transporte, tais como autocarros, eléctricos e táxis.

Será assim necessário um aumento do número de lugares de estacionamento, resposta oferecida através da criação de um parque subterrâneo, com mínimo impacto visual e ambiental. Nesta restruturação inclui-se a reorganização dos espaços públicos e criação de novas zonas de lazer comuns, a fim de tornar a área mais atraente para os usuários.

Estabelecer uma conexão entre os Pólos universitários é de clara importância (“conexão do conhecimento”), a fim de aumentar o interesse entre as zonas e as funções.

Esta intervenção urbana surge como um ponto de partida para o desenvolvimento futuro em Bovisa, que já estão no plano: Residências localizadas no leste, para completar o distrito Bovisa, e perto da estação.

Criação de laboratórios de pesquisa: de forma a criar terreno fértil para a pesquisa, desenvolvimento e inovação. Estes serão concentrados numa área, de forma que se possa tirar vantagem da proximidade física e da reunião de diferentes sinergias.

No Campus: a expansão foi planeada em continuidade com os edifícios universitários existentes para permitir uma partilha de serviços.

Dentro do Campus os Objectivos consistem em:
-Usando a estrutura existente criar um novo espaço central,”Cubo” (um espaço dentro de outro espaço)
-Dentro deste cubo, novos programam, diferentes dos que existem actualmente, um grande átrio, que serve como área de trabalho (que estava em falta), um auditório, uma sala de imprensa, sala de estar e um espaço aberto.

 

< English Version >

Screen Shot 2014-02-17 at 05.03.40

Micro Macro não é um plano mestre, mas uma rede de espaços abertos em escala macro, intensificado por micro intervenções em determinados lugares. Propomos uma rede coerente baseada na morfologia existente, estrutura de espaços abertos e qualidades da paisagem. É nossa convicção é de que, em primeiro lugar a cidade tem que investir em espaços públicos. A cidade tem de clarificar o estatuto dos espaços abertos e determinar os limites ou transições entre contexto urbano e paisagem natural. Acreditamos que um espaço público coerente e acessível pode estimular iniciativas privadas. Para impulsionar essas iniciativas propomos a intervir em pontos específicos da cidade e da paisagem circundante para estimular o processo de revitalização. O projeto é uma estratégia espacial para fortalecer a especificidade existente de Espinho, em qualidades particulares da paisagem e do património industrial.

Screen Shot 2014-02-17 at 05.03.51

Percebemos o transporte ferroviário não mais como uma ruptura no tecido, mas como uma continuidade da paisagem: um novo gerador de urbanidade. Os diferentes espaços abertos existentes ao longo da ferrovia estão conectados e formam um parque contínuo. Este intercepta continuidade novos corredores transversais diferentes e torna possível atravessar a ferrovia. Ela se torna uma importante zona entre o centro da cidade e da infra-estrutura ferroviária. As várias intervenções a partir de uma reestruturação completa. O parque é decomposto em diferentes sequências de acordo com o ambiente existente: no norte redefine o território natural do rio, em frente à estação, torna-se uma praça urbana, juventude, entre a casa e o supermercado uma paisagem contínua Cria uma nova conexão , juntamente com os campos desportivos existentes, que evolui para uma via que torna possível a observação . A topografia existente e densidades diferentes de vegetações são utilizados como uma ferramenta de desenho.

É colocada forte ênfase nas bicicletas e transporte público. Um loop elevado e emparelhado com ciclovias que amarram a área. Além de ser um forte elemento visual e de lazer, o sistema combinado de metro / bicicleta possibilitará diminuir o trânsito automóvel em 25% do total de tráfego na área.

Screen Shot 2014-02-17 at 05.04.04

< English Version >