rui veiga

vaga pascoa maio

[12h00-18h00]
Local: Mercado Cooletivo Aveiro, Jardim do Mercado Manuel Firmino
Entrada Livre

Jazzwalkers (dj set)
Bwcolors (live act)
Luís Formiga

[19h00-00H00]
Local: Ibeeria Festival, Mercado Manuel Firmino
Rui Veiga [Dj Set]

_____________________________________________

Bwcolors [16h00]
Bwcolors é um projecto de Pedro Guerra nas electrónicas e na guitarra. Uma viagem electrónica onde a melodia se encontra com a luz e a sombra com o vazio do espaço. Atmosferas psicadélicas exprimem-se nas cordas da guitarra e a leveza dos ambientes sonoros projecta o visual num local remoto da mente.
http://passarovago.com/bw-colors/

Luis Formiga [18h00]
Não esperem entretenimento, risadas vazias e letras em vácuo. Aquele que se descreve como “caçador de cerejas e tempestades” há-de continuar a trocar os v’s pelos b’s e a levar a sua música com gente dentro, na catarse do tempo. Expurgando os seus demónios numa terapia diáfana, para nos relembrar que mesmo no recanto mais negro da nossa alma se pode vislumbrar a beleza que reside entre notas e palavras.
http://luisformiga.com/category/press/

Jazzwalkers Dj set [12H00 – 19H00]
Jazzwalkers são um duo. Bla , bla , bla , bla , bla , bla , bla , bla , bla , fumam cigarros, vestem smoking e gravata preta. Yada , yada , yada , Jazz , Blues, Hip- hop, soul , funk, afro- beat , latino , erotic beats .
“Assim por diante, qualquer que seja, onde quer que, sempre que, tocando principalmente em Aveiro, Coimbra e Lisboa. Etcetera, entre outras coisas. Chega de conversa fiada !
Nós tocamos com a alma. Nós tocamos para subconsciente, para o corpo desabitado e com uma dança sem igual.
Desde o West Coast, Cool, Swing, Be-Bop, Hard Bop, Delta blues. Ritmos baseados no Hit -hat para levantar o humor. Arranjos de saxofone e trompete para impingir uma alegria involuntária entre o público. Um prelúdio para relaxar a mente .
Até dizemos: Basta de emoções, vamos para o contacto físico! Então desencadeamos ritmos mais elevados aumentando o volume das músicas. O subconsciente se transforma numa necessidade dramática de cadência do corpo para manter-se com os ritmos mais vibrantes. Funky-Grooves, Brass-Band, Acid-Jazz, Boogaloo, Afro-Beat, Hip-Hop … tudo para ser misturado a fim de fornecer as necessidades emocionais / físicas do público.”

Production | MEIA 2015

November 10, 2015

MEIA 2015
Direção de produção e Design de Imagem do Festival de Música Experimental e Improvisada em Aveiro
6 e 7 de Novembro em Aveiro

Banner Evento MEIA 2015-02-01

Fotografias do Evento:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1656307471323526.1073741832.1481285512159057&type=3

O MEIA, Festival de música experimental e improvisada em Aveiro, é organização do colectivo e
editora de música Pássaro Vago com a parceria da associação cultural Pauta Humana, surgiu da
vontade de criar um festa anual de amostra de música experimental e improvisada em Aveiro.
Este festival teve a sua primeira edição em Novembro de 2014 em Aveiro no auditório do
Mercado Negro e no espaço do GRETUA o qual foi um sucesso tendo sido possível ouvir ecos
sobre o festival tanto na imprensa regional quer nacional. A edição do MEIA 2014 ficou
culminada uma extensão do festival na Casa das Artes da Fundação Bissaya Barreto no dia 12 de
Dezembro em Coimbra.

Em 2015, a segunda edição do MEIA vai realizar-se nos dias 6 e 7 de Novembro no auditório do
Gretua e vai contar com a participação de conceituados e emergentes nomes do panorama
tanto da música experimental e improvisada como do jazz nacional. Dia 6 de Novembro o
programa contará com as actuações do trio composto por Leonardo Pellegrim no saxofone,
Andreia Santos no trombone e Márcio Silva na bateria e do quarteto Paulo Alexandre Jorge and
The Free Jazz Company. No dia 7 de Novembro o espaço Gretua acolherá o quinteto Curva De
Möbius com Paulo Duarte na guitarra, Paulo Chagas na flauta e saxofone, Fernando Simões no
trombone, Miguel Falcão no contrabaixo e Luis Filipe Silva na bateria e para acabar o certame o
conceituado jovem saxofonista português João Mortagua irá tocar em duo com o baterista
Pedro Vasconcelos num concerto que será gravado para futura edição em disco pela editora de
música aveirense Pássaro Vago.

Dia 6:
Leonardo Pellegrim + Andreia Santos + Márcio Silva
Leonardo Pellegrim – saxofones
Andreia Santos – trombone
Márcio Silva – bateria

Paulo Alexandre Jorge and the Free Jazz Company
Paulo Alexandre Jorge – saxofones
Ulisses Teixeira – guitarra
Guilherme Carmelo – baixo
José Manuel Pereira – bateria

Dia 7:
João Mortágua + Pedro Vasconcelos
João Mortágua – saxofone
Pedro Vasconcelos – bateria

Curva De Möbius
Paulo Duarte – guitarra
Paulo Chagas – flauta e saxofone
Fernando Simões – trombone
Miguel Falcão – contrabaixo
Luis Filipe Silva – bateria

________________

Ficha Técnica:

Organização:
Pássaro Vago

Direção Artística:
Rui Veiga

Direção de Produção:
Luís Formiga

Co- Produção:
Pauta Humana

Ilustrução e Design:
Luís Formiga

Fotografia:
David Gama

Colaboradores:
Adriano Santos
Bruno Pinho
Pedro Guerra

Contactos:
geralmeia@gmail.com
passarovago@gmail.com

Site:
www.facebook.com/festivalmeia

Festival MEIA 2015

October 20, 2015

MEIA 2015
Direção de produção e Design de Imagem do Festival de Música Experimental e Improvisada em Aveiro
6 e 7 de Novembro em Aveiro

Banner Evento MEIA 2015-02-01

O MEIA, Festival de música experimental e improvisada em Aveiro, é organização do colectivo e
editora de música Pássaro Vago com a parceria da associação cultural Pauta Humana, surgiu da
vontade de criar um festa anual de amostra de música experimental e improvisada em Aveiro.
Este festival teve a sua primeira edição em Novembro de 2014 em Aveiro no auditório do
Mercado Negro e no espaço do GRETUA o qual foi um sucesso tendo sido possível ouvir ecos
sobre o festival tanto na imprensa regional quer nacional. A edição do MEIA 2014 ficou
culminada uma extensão do festival na Casa das Artes da Fundação Bissaya Barreto no dia 12 de
Dezembro em Coimbra.

Em 2015, a segunda edição do MEIA vai realizar-se nos dias 6 e 7 de Novembro no auditório do
Gretua e vai contar com a participação de conceituados e emergentes nomes do panorama
tanto da música experimental e improvisada como do jazz nacional. Dia 6 de Novembro o
programa contará com as actuações do trio composto por Leonardo Pellegrim no saxofone,
Andreia Santos no trombone e Márcio Silva na bateria e do quarteto Paulo Alexandre Jorge and
The Free Jazz Company. No dia 7 de Novembro o espaço Gretua acolherá o quinteto Curva De
Möbius com Paulo Duarte na guitarra, Paulo Chagas na flauta e saxofone, Fernando Simões no
trombone, Miguel Falcão no contrabaixo e Luis Filipe Silva na bateria e para acabar o certame o
conceituado jovem saxofonista português João Mortagua irá tocar em duo com o baterista
Pedro Vasconcelos num concerto que será gravado para futura edição em disco pela editora de
música aveirense Pássaro Vago.

Cartaz Final MEIA 2015 x580

Dia 6:
Leonardo Pellegrim + Andreia Santos + Márcio Silva
Leonardo Pellegrim – saxofones
Andreia Santos – trombone
Márcio Silva – bateria

Paulo Alexandre Jorge and the Free Jazz Company
Paulo Alexandre Jorge – saxofones
Ulisses Teixeira – guitarra
Guilherme Carmelo – baixo
José Manuel Pereira – bateria

Dia 7:
João Mortágua + Pedro Vasconcelos
João Mortágua – saxofone
Pedro Vasconcelos – bateria

Curva De Möbius
Paulo Duarte – guitarra
Paulo Chagas – flauta e saxofone
Fernando Simões – trombone
Miguel Falcão – contrabaixo
Luis Filipe Silva – bateria

________________

Extensão Festival MEIA – Águeda


Video por:
http://www.agueda.tv/

No dia 28 de Novembro houve uma extensão do Festival na cidade de Águeda, que contou com a presença do projeto Oxímoro liderado pelo saxofonista brasileiro Leonardo Pellegrim, com seu compatriota Márcio Silva na bateria e ainda Mauro Ribeiro na guitarra.
A extensão aconteceu no Espaço InCA – Incubadora Cultural de Águeda e foi resultado de uma parceria entre a editora Pássaro Vago com a associação cultural Pauta Humana e com o apoio da Câmara Municipal de Águeda.

________________

Ficha Técnica:

Organização:
Pássaro Vago

Direção Artística:
Rui Veiga

Direção de Produção:
Luís Formiga

Co- Produção:
Pauta Humana

Ilustrução e Design:
Luís Formiga

Fotografia:
David Gama

Colaboradores:
Adriano Santos
Bruno Pinho
Pedro Guerra

Contactos:
geralmeia@gmail.com
passarovago@gmail.com

Site:
www.facebook.com/festivalmeia

Subnutridos Album Cover

iTunes StoreYou can check it out at:
www.facebook.com/luisformigamusic
And listen/buy at:
iTunes
Bandcamp
Spotify

“Subnutridos” é o álbum de estreia do cantautor Luís Formiga, é constituído por 12 temas folk à guitarra e voz, género com o qual Luís se apresenta mais confortável, acompanhado por Pedro Campos no contrabaixo e uma instrumentação que mantém o foco na voz e nas composições do autor. O álbum, gravado e produzido por Hugo Pereira e saído a 24 de Junho, é editado com o selo da Pássaro Vago e está disponível para venda no iTunes e para streaming no Spotify.

Nunca foi tão inovador como os cantores que cantavam como se estivessem num navio em chamas. Não cantava de forma desesperada, nem fazia grande estrago. Dava a impressão que a sua resistência não era levada ao limite, mas isso também não importava, cantava as suas canções serenamente como se estivesse no meio de uma tempestade. A sua voz era misteriosa e fazia-nos cair num determinado estado de espírito.

Subnutridos Promo 1

Diz-nos Luís:
“As músicas podem constituir elas mesmas uma aprendizagem, não têm sequer de ser necessariamente leves ou simples entretenimento, podem ocupar um espaço diferente, (aspirar) criar desequilibrios”.

Ao faze-lo, assume a criação musical como vontade de transcender a aquela que Adorno dizia ser a “música culinária”: a da cultura do imediato, consumível e descartável. O que vem do interior e exige ser posto em música e palavras busca agir sobre o mundo, mesmo quando essa acção se quer voluntariamente discreta e modesta.
Luís reforça-o ao longo do álbum nas identidades que inventa, como em “Don Juan Arrumador” ou a “A pistola do Ernesto”. As personagens, pela sua justeza, honestidade e abertura, tornam-se pessoa transformada em canção, figurando a bravura de uma maneira abstracta. Estas personagens anónimas às quais a generosidade dá um nome representam talvez a humanidade em geral. Luis fala-nos da necessidade de olhar para estas personagens semi ficcionais e semi perdidas, e pede-nos com humildade que não as ignoremos. Mas nada nos impõe.

São estórias de personagens mal-amadas, com imagens de um quotidiano que, antes de ser mudado precisa de ser visto com outros olhos. Deve procurar-se a poesia em primeiro lugar nas coisas pequenas para que a luz do infinito não nos ofusque os olhos desabituados. É preciso ver a poesia onde ela não é evidente, e injectá-la nos corpos que, por negação, mais a rejeitam.
A afirmação da melancolia pode ser o momento fulcral da libertação, a afirmação da fraqueza é um gesto de coragem num mundo em que é tão fácil crucificar com pregos pequeninos os desconhecidos e virar o olhar para longe de tudo o que nos amedronta. E a hesitação, uma oportunidade privilegiada para conhecer o nosso íntimo. Um dia cresceremos, tiraremos as nossas elações, e então iremos em busca de novas incertezas. Pois “homens bons fazem coisas más”, e “Chega o dia em que por amor até o sábio se comporta como tolo. “ (O Teu Deus)

Subnutridos Album Promo 2

Qual o sentido da vitória? O que é o sucesso? Poderemos aceitar as respostas comuns, impessoais, que nos chegam de todas as direcções? Ou terá que ser algo que necessariamente parte do interior para um mundo hostil, arriscando a rejeição e aceitando um resultado incerto? Criar uma canção e cantá-la para um público é, como qualquer ato de criação, interferir com um mundo à partida indiferente, provocá-lo, jogar numa trama de incertezas. E mais vale a convicção de um gesto ter significado e razão de ser do que uma chuva de aplausos quando esta não é mais do que um reflexo pavloviano.

Num quarto fechado, um animal recolhido deixa escorrer o tempo, procrastina, deixa-se assombrar por pensamentos ou pelo desejo, pela fome. Talvez medite. Tempo de partir para um quarto de motel, levar uma guitarra, muitos gatos, talvez o amor, uma mão e um peito generoso. Para trás, uma casa deixada de janelas escancaradas. O tempo circula, e os regressos são imprevisíveis. O mundo gira sempre, numa vertigem subtil que nos embala sem darmos por isso. Não interessa tanto o ponto de chegada como o caminho. É preciso amar as dores que nos causam nos pés o contínuo caminhar, plácido, cheio de sinuosidades, na incerta perseguição dos sonhos.

Pedro Lavoura

 

http://luisformiga.bandcamp.com/
https://www.facebook.com/luisformigamusic
https://soundcloud.com/luisformiga

________________

Luís Formiga - Subnutridos CD

Ficha técnica:
Luís Formiga – voz, guitarra, harmónica
Pedro Campos – contrabaixo
Bruno Pinho – guitarra
Edward Alves – voz
Inês Moreira – voz, viola d’arco
Rui Veiga – guitarra
Hugo Pereira – teclados e percussões
Design e Fotografia por Joana Mendes
Gravado no __COM__ e no Covíl Estúdios
Misturado no Covíl Estúdios
Produzido e Masterizado por Hugo Pereira

Rádio Bambaataa

February 22, 2013

Primeiros esboços, entretanto abandonados.
Criação de alter-egos para os Djs do programa de rádio.
Radio Bambaataa
http://www.mixcloud.com/radiobambaataa/
__________________________

First Sketches, abandoned however.
Creating alter-egos for the Djs of the radio program.

Marcelo, Talo and Calorius

December 30, 2010

Screen Shot 2014-02-17 at 05.26.29
Screen Shot 2014-02-17 at 05.26.50
Screen Shot 2014-02-17 at 05.26.36

Talo, Marcelo, Rui, Gonçalo, Talo
last days of summer

Talo, Marcelo, Rui, Gonçalo, Talo
os últimos dias de verão