luis formiga

Auto retrato sem barbeiro

August 30, 2018

auto retrato sem barbeiro

paciente

June 4, 2018

67987698-7575-4523-B5A2-300E9F95E7A0

Ultimamente, desenhar sem uma ideia a anteceder o contacto da caneta com o papel tem-me levado invariavelmente nesta direção, ainda não lhe encontrei justificação ou uso.

Maestro

April 17, 2018

maestro

De costas para o maestro. Ensaios LF e Cabaret Malícia.

Ensembleia | Album Cover

February 15, 2018

Cover Design

Ensembleia

Disponível para escuta e compra online/fisica através do link:
https://passarovago.bandcamp.com/album/ensembleia
Pode ainda ser adquirido através de contacto email:
passarovago@gmail.com

Ensembleia é uma ensemble de música improvisada criada e gravada na edição de 2017 do Festival de Música Experimental e Improvisada de Aveiro (MEIA). Os nomes das faixas, VIC I e VIC II, são de homenagem ao cineasta e artista aveirense, Vasco Branco [1919-2014]

Recorded on december 15th at “Festival Música Improvisada de Aveiro 2017”, Portugal.
Released April 16, 2018

Helena Espvall – Cello
Bernardo Álvares – Doublebass
Bruno Pinho – Electric Guitar
Rui Veiga – Electronics
Bitocas Fernandes – Voice, percussion

All compositions are free improvisation
Paint by Vasco Branco
Design by Luis Formiga
Recorded by Luis Ribeiro
Mixed & Mastered by Gonçalo Abade
Released on Pássaro Vago Records, 2018

PV017
© 2018 Pássaro Vago

___

Review na Jazz.pt:
Screen Shot 2018-06-11 at 23.49.45

“Registado durante a edição de 2017 do Festival de Música Experimental e Improvisada de Aveiro, mais conhecido por MEIA, este disco homónimo do quinteto Ensembleia dá-nos a ouvir uma nova geração de improvisadores nacionais, reunindo os mais conhecidos Helena Espvall (violoncelista sueca radicada em Lisboa) e Bernardo Álvares (contrabaixista nos Alforjs) a Bruno Pinho (guitarra eléctrica), Rui Veiga (electrónica) e Bitocas Fernandes (voz, percussão – também as flautas que se ouvem, não creditadas?).

Com uma abordagem electroacústica que pouco deve àquilo que com esta designação se vai fazendo no domínio da música contemporânea, as duas improvisações colectivas reunidas (designadas por “VIC I” e “VIC II” em homenagem ao cineasta e artista plástico aveirense Vasco Franco) têm algumas conexões com o ambientalismo, dado o carácter paisagístico da música, e com algum do rock progressivo mais exploratório, em especial o dos King Crimson – o guitarrista aqui ou ali fazendo-nos lembrar um Robert Fripp mais orgânico. O trabalho vocal acentua o carácter ritualístico das intrigas e denota (como se os motivos repetitivos do contrabaixo e do violoncelo não bastassem) as distâncias que se procuram relativamente à ortodoxia da chamada “música improvisada”. Há algo de estranhamente “folky” nos fluxos que se vão criando, sobretudo pela forma como se pega num imaginário sonoro que parece vir dos confins da memória colectiva, sem mediação das consciências e dos formatos estabelecidos como “música popular”. O carácter interactivo da música não apaga as contribuições individuais de cada interveniente, mas se todos têm oportunidade de se fazer ouvir, um ganha especial destaque pelo que vai tirando da cartola: Espvall. Venha mais”

http://acertezadamusica.blogspot.pt/

http://acertezadamusica.blogspot.pt/
http://acertezadamusica.blogspot.pt/

Luís Formiga e Cabaret Malícia na AC Mercado Negro em Aveiro a 9 de Dezembro 2017
No blog: http://acertezadamusica.blogspot.pt/
Fotos gentilmente cedidas por João Nuno Silva.

Concert | AC Mercado Negro

December 11, 2017

Voltamos aos concertos depois de mais de um ano de hiato. Este Sábado, dia 9, às 22H, na Associação Cultural Mercado Negro em Aveiro, a convite da A Certeza Da Música. Logo a seguir há ainda djset de umas das minhas duplas favoritas, Jazzwalkers. Espero-vos bem.

Evento:
https://www.facebook.com/events/131321430852012/

Untitled

Amanhã ajudas-me a varrer o que sobrar.

Tenho estado com os Cabaret Malícia em estúdio, de volta de músicas mais recentes, tem sido um processo demoroso. Fazer coincidir a criatividade, que não tem inundado os meus dias com a nossa disponibilidade para nos juntarmos todos. As músicas novas têm tido uma direcção musical diferente, apesar das motivações e preocupações de sempre, estão a pender mais para o lado do que foi feito nas gravações do “Covilmente”, e a apoiar-se cada vez mais nas electrónicas do Jörge Pandeirada para suporte dos ambientes que vamos idealizando nas diferentes temáticas.

Estamos também a agendar alguns concertos para breve, vamos anunciando a coisa por aqui. Talvez nos cruzemos mais vezes.

Não temos atravessado dias fáceis neste país. não vale a pena alongar-me sobre a situação.
Espero-vos bem, desejo-vos melhor.

(Na foto, o cotovelo do Jorge e a “machadinha” do Edward Alves, nos estudios da Covil. A foto é da Rita Cabral).

o moribundo para o espelho

October 4, 2017

Untitled